Zonas mortas nos oceanos quadruplicaram de tamanho devido à pecuária

2

Mais um estudo comprova os malefícios da pecuária para o meio ambiente. O artigo abaixo explica como a produção de animais para consumo impacta negativamente nos oceanos.

*Por Diana Lupica

As zonas mortas nos oceanos quadruplicaram de tamanho desde 1950 – um aumento dramático que tem sido associado pelos cientistas à indústria da pecuária.

Um novo estudo publicado na revista Science descobriu que as áreas desprovidas de oxigênio no oceano aberto aumentaram nos últimos 50 anos. Os locais perto das costas com oxigênio muito baixo se multiplicaram em dez vezes.

Os cientistas estão alertando que isso pode levar à extinção em massa a longo prazo, pois as criaturas do mar não podem sobreviver nessas zonas. Também impacta negativamente sobre os seres humanos.

O novo estudo ainda representa a visão mais abrangente do esgotamento do oxigênio oceânico e foi publicado por cientistas da GO2NE (Global Ocean Oxygen Network). Eles são um grupo das Nações Unidas que investiga o impacto da perda de oxigênio nos oceanos.

Pecuária está relacionada com os problemas nos oceanos

As mudanças climáticas e a poluição são os principais fatores para a desoxigenação em larga escala dos oceanos. Um especialista argumentou que “a poluição não controlada da pecuária”, em particular, levou a descobertas chocantes.

Lucia von Reusner é diretora de campanha do grupo Mighty Earth. Recentemente, ela expôs um vínculo entre a zona morta no Golfo do México e a produção de carne em larga escala e disse: “Essas descobertas não são uma surpresa e confirmam ainda que a poluição não controlada da pecuária alcançou níveis de crise e exige ação imediata”.

Poluição

Ela acrescenta: “Estas zonas mortas continuarão expandindo, a menos que as principais empresas de carne que dominam nosso sistema agrícola global comecem a limpar suas cadeias de suprimentos para manter a poluição fora de nossas águas.

Empresas como a Tyson Foods estão impulsionando a demanda de grandes quantidades de milho e soja (para a produção animal) insustentáveis. Isso contribui para a maior parte da poluição das vias navegáveis, além do estrume que geralmente é despejado em campos que levam a rios e mares”.

Atenção

Denise Breitburg, do Smithsonian Environmental Research Center, nos EUA, lidera a maior parte da análise. Ela explicou a situação sombria que a Terra enfrenta.

“O oxigênio é fundamental para a vida nos oceanos. Seu declínio é um dos efeitos mais sérios das atividades humanas no meio ambiente da Terra”. Os principais eventos de extinção na história da Terra foram associados aos climas quentes e oceanos com deficiência de oxigênio”.

Breitburg destaca: “A situação atual é para onde iremos. Mas, as consequências para os humanos permanecerem nesse caminho são tão terríveis que é difícil imaginar que chegaremos muito longe”.

Solução

Ela ainda diz que é “um problema que podemos resolver”. “A interrupção da mudança climática exige um esforço global, pois, até mesmo as ações locais podem ajudar com o declínio do oxigênio”.

Ela apontou para recuperações na Baía de Chesapeake, nos EUA, e no rio, Tamisa, no Reino Unido, onde melhores práticas de exploração e esgoto levaram zonas mortas a desaparecerem.

Mas o Prof. Robert Diaz, do Virginia Institute of Marine Science, analisou o novo estudo e acredita: “Atualmente, a crescente expansão das zonas costeiras mortas e o declínio do oxigênio no oceano aberto não são problemas prioritários para os governos de todo o mundo. Infelizmente, será necessária a mortalidade severa e persistente das pescarias pela gravidade do baixo oxigênio”.

*Diana é uma escritora londrina dedicada a trazer as últimas atualizações em consumismo ético e nutrição vegetal. Ela é uma formadora de mídia recente com ampla experiência jornalística e escreve na esperança de mudar a narrativa. Siga Diana no Instagram e Twitter @dianalupica.

*Fonte: Plant Basead News

*Imagem: Pixabay



Discussão2 Comentários

  1. Oii, gostei muito do tema do seu artigo e vou fazer umas pesquisas na minha Universidade referentes a ele, teria como você enviar as referências bibliográficas que você citou?
    Obrigada,
    Tatiany Marinho.

    • Olá, Tatiany! Tudo bem?

      O artigo não é nosso, apenas replicamos no portal.

      Como você pode observar, demos o nome da autora do artigo e a fonte ao final. Tente entrar em contato com a autora, ok?

      Abs e sucesso nas suas pesquisas!

      Equipe portal Mimi Veg

Deixe seu comentário