Poluição do ar vem de fazendas de exploração animal e afeta função cognitiva humana, diz estudo

0

A exploração animal causa danos em vários sentidos ao meio ambiente. Agora, um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Internacional de Pesquisas Políticas Alimentares descobriu que a poluição do ar, causada em grande escala por fazendas, prejudica a função cognitiva humana. A ambientalista Natasha Brooks expõe como os locais que exploram os seres sencientes ajudam a emitir poluentes ao planeta.

*Por Natasha Brooks para o One Green Planet

Quando a maioria das pessoas pensa em poluição do ar, imagina uma cidade movimentada com um manto de poluição das fábricas vizinhas. Mas, muitos não percebem que grande parte da poluição em nosso ar vem de fazendas industriais, onde há exploração animal. Na verdade, mais de um terço de todas as matérias-primas e combustíveis fósseis usados nos Estados Unidos são usados na agricultura animal.

Estima-se que o gado seja responsável por 9% das emissões globais de dióxido de carbono, 35 a 40% das emissões globais de metano, e 65% das emissões de óxido nitroso.

Isso significa que a agricultura animal é responsável por mais emissões de gases do efeito estufa do que todo o setor de transporte!

E o metano produzido por essas fazendas (principalmente de fazendas de gado) é significativamente mais prejudicial do que o dióxido de carbono. O elemento é um dos maiores contribuintes para o aquecimento global, capturando até 100 vezes mais calor na atmosfera do que o dióxido de carbono no período de um ano.

A poluição do ar dessas fazendas inclui 400 gases nocivos diferentes: amônia, sulfeto de hidrogênio, óxido nitroso, endotoxinas e material particulado (como caspa), só para citar alguns.

Cerca de 80% das emissões de amônia nos EUA vêm de resíduos animais! Além de tudo isso, a agricultura animal industrializada é responsável pelo desmatamento em massa, que não apenas leva à extinção de espécies, mas também remove árvores valiosas que ajudam a equilibrar nossa qualidade do ar. O transporte dos animais e toda a produção de produtos cárneos também contribuem para a poluição do ar.

Exploração animal prejudica o meio ambiente e a saúde

O que tudo isso significa para a saúde humana? Isso indica que os moradores próximos às fazendas industriais sofrem tremendamente. Possuem várias complicações, desde dores na garganta e irritação nos olhos, problemas respiratórios e de saúde mental e convulsões. A poluição do ar pode até levar à morte.

Fazendas industriais também contribuem para a disseminação de doenças perigosas, como a gripe suína e a gripe aviária. Além disso, a agricultura animal está ligada à disseminação de bactérias resistentes a antibióticos. Assim, as infecções humanas ficam cada vez mais difíceis de tratar. Isso é uma preocupação de saúde pública global extremamente séria, não podemos encarar com leviandade.

Exploração animal: estudo relaciona poluição do ar com a cognição humana

E agora, um estudo recente relacionou a poluição do ar à diminuição da função cognitiva, especialmente em homens mais velhos. Pesquisadores do Instituto Internacional de Pesquisas de Políticas Alimentares (IFPRI) analisaram dados da pesquisa longitudinal da China Family Panel Studies, rastreando as avaliações dos testes cognitivos de cerca de 32.000 pessoas com mais de 10 anos, entre 2010 e 2014, contra sua exposição a curto e longo prazo da poluição do ar.

Os resultados? Eles descobriram que houve uma diminuição do “aumento da exposição cumulativa à poluição do ar”. Esse declínio foi especialmente notável em homens mais velhos e menos instruídos. Isso, segundo os pesquisadores, também pode ter efeitos sobre a economia.

O autor do estudo, Xiaobo Zhang, da Universidade de Pequim, disse: “Os danos que a poluição do ar tem sobre os cérebros de pessoas de mais idade provavelmente impõem custos substanciais à saúde e à economia. Considerando que o funcionamento cognitivo é crítico para os idosos fazerem tarefas diárias de alto risco”.

O declínio cognitivo ou prejuízo são fatores de risco no desenvolvimento da doença de Alzheimer e outras formas de demência.

Zhang elaborou: “Os danos na capacidade cognitiva pela poluição do ar também provavelmente impedem o desenvolvimento do capital humano. Portanto, um foco estreito no efeito negativo sobre a saúde pode subestimar o custo total da poluição do ar. Nossas descobertas sobre o efeito prejudicial da poluição do ar na cognição implicam que o efeito indireto da poluição no bem-estar social poderia ser muito maior do que se pensava anteriormente”.

Agora tudo isso vale um cheeseburguer de bacon e uma asa de frango? Nós não achamos!

*Fonte: Natasha Brooks, ambientalista, para o One Green Planet

*Imagem: divulgação



Deixe seu comentário