Fazendas da Nova Zelândia abandonam laticínios e passam a cultivar abacates

0

Diversos fazendeiros neozelandeses estão vendendo suas terras, lugares que antes produziam laticínios, para empresas que cultivam abacates. A tendência é que mais terrenos parem de explorar vacas leiteiras e passem a ter pomares de abacateiros nos próximos anos, contribuindo para a saúde das pessoas e o bem-estar animal e do planeta.

*Por Charlotte Pointing para o LiveKindly

Várias fazendas leiteiras na Nova Zelândia estão sendo transformadas em pomares de abacateiros.

Georgina Tui e Mate Covich, produtores de leite no extremo norte do país, venderam suas terras para desenvolvedores de pomares de abacateiros. A dupla segue os passos de outras três fazendas leiteiras na península de Aupouri, que também foram vendidas para o desenvolvimento de um pomar de abacateiros.

Jen Scoular, chefe-executiva da NZ Avocado, observa que o clima e o solo da Nova Zelândia são ideais para o cultivo de abacates.

Há 3800 hectares produtivos cultivando a fruta popular no país, com mais 1000 no horizonte nos próximos três anos. “Estamos confortáveis com a demanda global pelo aumento das plantações e estamos felizes em ver o investimento contínuo em abacates”, disse ela.

Além de ser algo mais sustentável, também é benéfico para as vacas, que deixam de ser exploradas.

Aumento da demanda por abacates

No mundo todo, a demanda está aumentando para os abacates. A fruta saborosa é rica em nutrientes, com numerosos benefícios para a saúde.

O ingrediente chave para o café da manhã é mais potente em potássio do que bananas, por exemplo. Além disso, ele tem alta quantidade de vitaminas e ácidos graxos saudáveis.

O México é atualmente o maior produtor de abacates do mundo. No entanto, mais países estão se esforçando para cultivar a fruta. A Nova Zelândia atualmente conta apenas com 1% da produção global. Mas, com mais agricultores vendendo suas terras para desenvolver a safra, isso pode aumentar.

*Fonte: LiveKindly

*Imagem: divulgação



Deixe seu comentário