Morcegos regurgitam néctar para alimentar seus filhotes, diz estudo

0

Um novo estudo revela que filhotes de morcegos da América Central e do Sul são alimentados com néctar que foi regurgitado por suas mães.

De acordo com a pesquisa, realizada pelo ecólogo Andreas Rose, da Universidade de Ulm – Alemanha, as mães da espécie Glossophaga soricina (conhecida também como morcego-de-língua-longa-de-pallas) ingerem o néctar das flores e depois colocam a substância para fora, na boca de seus filhos (leia o artigo científico aqui).

Conforme o estudo, os bebês lambem os lábios de suas genitoras. Elas entendem que eles querem comida e os alimentam com o vômito doce. Os pesquisadores acreditam que é a primeira evidência de alimentação boca a boca em morcegos que consomem néctar.

Descoberta sobre morcegos levanta outras questões

De acordo com o pesquisador Andreas Rose, a revelação também apresenta outras questões que devem ser estudadas, como o gasto energético dessa espécie.

O ecólogo acredita que precisa ser investigado se essas mães gastam menos energia alimentando os filhotes dessa forma, em comparação quando produzem leite.

Além disso, Andreas Rose analisa se esse comportamento proporciona outros benefícios aos bebês, que não sejam nutricionais, como a transferência de micróbios do intestino ou uma contribuição para o aprendizado dos processos sociais da alimentação.

Não são só os morcegos que oferecem alimentos diferentes para seus filhotes

Outros animais, como peixes, répteis e invertebrados, também alimentam seus bebês de uma maneira inusitada.

Um grupo de peixes ciclídeos do Rio Amazonas, por exemplo, chamados de acará-disco, dão muco proveniente do corpo deles, aos seus filhotes. Esse comportamento dura aproximadamente um mês, até que o filho deles tenha maturidade para conseguir buscar seu próprio alimento.

Há, ainda, as cecílias, uma espécie de anfíbio semelhante à minhoca. Os filhotes deles são alimentados com a pele gordurosa das costas de suas mães. Os bebês raspam a camada de derme, com dentes especializados, e ingerem a parte do corpo das genitoras.

*Fonte: National Geographic Brasil

*Imagem: Christian Ziegler/Nat Geo Image Collection

Você também pode gostar de ler:

Novo sistema de inteligência artificial pode acabar com testes em animais para sempre

Insetos sofrerão extinção dentro de 100 anos, segundo novo relatório

Estudo mostra que galinhas são mais inteligentes do que se pensa

 



Deixe seu comentário