Moda sustentável e ética: confira 20 termos que são utilizados para identificá-las

0

Para entender melhor sobre moda sustentável e ética, a especialista Solene Rauturier desenvolveu um glossário com termos utilizados nesse ramo. Ela explica, inclusive, alguns tipos de conceitos que as pessoas devem ficar atentas, para evitar roupas que não são socialmente e ecologicamente responsáveis. Veja a seguir o significado de algumas expressões e aprenda a identificar quando uma roupa faz bem à sociedade, ao meio ambiente e aos animais.

*Por Solene Rauturier

Quando você descobre a moda sustentável, todo um novo mundo de possibilidades se abre diante de seus olhos.

No processo, você também encontra uma terminologia que não conhecia antes. Pode ser um pouco confuso. Ética, Slow Fashion, Upcycling? O que todos eles significam?

Se você estiver interessado em viver de forma mais sustentável, listei alguns termos essenciais que são usados no mundo da moda sustentável e ética.

1) Moda sustentável e ética: moda sustentável

Vamos começar com o básico: em 1987, a ONU definiu a sustentabilidade como:

“Desenvolvimento que atenda às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”.

À luz dessa definição, moda sustentável refere-se a uma abordagem mais ecológica para projetar, fabricar e consumir roupas, certificando-se de que causamos pouco ou nenhum dano ao nosso planeta e não usamos todos os seus recursos naturais.

Moda sustentável também se concentra em prolongar a vida de roupas, usando materiais reciclados.

2) Moda sustentável e ética: moda ética

A moda ética se concentra no impacto social da indústria fashion: ético significa, literalmente, “moralmente correto”. Nós começamos a falar sobre “moda ética” muito depois do colapso da empresa Rana Plaza, em 2013, quando percebemos as condições extremas em que as roupas eram fabricadas.

A moda ética abrange uma ampla gama de questões, como salários dignos, condições de trabalho, saúde e segurança, trabalho forçado, trabalho infantil. Significa ir além da simples obediência às leis trabalhistas locais. Moda ética também inclui o tratamento justo de animais, veganismo e moda livre de crueldade.

3) Moda sustentável e ética: fast fashion

Essa é outra palavra que ouvimos muito desde 2013. O Fast Fashion é derivado do “Fast Food” e é usado para descrever as roupas que são produzidas de forma rápida e barata.

As marcas de Fast Fashion estão associadas a superprodução, desperdício, condições de trabalho deploráveis e péssimo impacto ambiental. Em suma, não são éticas e sustentáveis, você deve evitar.

4) Moda sustentável e ética: slow fashion

Slow Fashion é o oposto de fast fashion. Refere-se a comprar menos, reduzir nosso consumo de roupas e focar em produtos que durarão mais. Slow Fashion também se concentra em “estilo”, em vez de “moda”. Isso significa desenvolver um senso pessoal de gosto em vez de seguir freneticamente as tendências.

5) Moda sustentável e ética: moda consciente

A moda consciente é semelhante à slow fashion. É quando você decide consumir conscientemente, aproveitando o tempo para refletir sobre o impacto de suas roupas e tentando reduzi-las. Moda consciente é repensar positivamente nossa decisão e o processo de compra para nos afastarmos do consumismo irracional.

6) Moda sustentável e ética: minimalismo

Minimalismo é reduzir a quantidade de itens (no nosso caso, roupas) que você possui. Não é sobre não ter nada; é sobre ter menos. Trata-se de focar no que importa, eliminando e removendo o que está nos sobrecarregando, nos livrando do excesso.

Pode significar ter uma quantidade mínima de roupas no seu guarda-roupa, se é isso que parece certo para você, mas não é necessário.

7) Moda sustentável e ética: greenwashing

Greenwashing é quando uma empresa dá a falsa impressão de que seus produtos são mais éticos e sustentáveis do que realmente são. Greenwashing é uma preocupação crescente hoje em dia, já que algumas empresas estão tentando se beneficiar da demanda por roupas ecológicas e éticas.

Essas empresas geralmente comercializam iniciativas supostamente “amigáveis ao meio ambiente”, como o uso de embalagens recicladas, tornando-se um escritório sem papel ou coleções “conscientes”, ao mesmo tempo em que não tratam de questões ambientais e trabalhistas críticas. Fique atento e pesquise bem para saber se a marca comete greenwashing.

8) Moda sustentável e ética: moda circular

Circular refere-se a roupas que são projetadas de uma maneira que regenere os sistemas naturais. Baseia-se em parte na filosofia de design Cradle to Cradle (que  significa criar e reciclar ilimitadamente), de William McDonough e Michael Braungart.

9) Moda sustentável e ética: recycling

Reciclar é a ação de converter resíduos em algo reutilizável. Por exemplo, algumas marcas transformaram garrafas plásticas em fios para fazer suéteres ou casacos.

10) Moda sustentável e ética: upcycling

Novamente com base na abordagem Cradle to Cradle, o upcycling também transforma lixo em material reutilizável, mas de melhor qualidade.

O upcycling é excelente porque remove os resíduos do sistema, requer menos energia e, portanto, tem um impacto ambiental melhor.

11) Moda sustentável e ética: transparência

Transparência é a prática de compartilhar abertamente informações sobre como, onde e por quem um produto foi feito.

Ser transparente significa publicar todas as informações sobre todos os fatores envolvidos no processo de produção, do início ao fim, dos campos às prateleiras das lojas.

12) Moda sustentável e ética: rastreabilidade

A rastreabilidade é crucial para a transparência. Significa ser capaz de rastrear cada componente de um item em toda a cadeia de suprimentos, desde a matéria-prima até o zíper.

13) Moda sustentável e ética: orgânico

Orgânico é um termo que vemos muito na indústria alimentícia, mas que também se aplica à moda. Refere-se a matérias-primas que não são geneticamente modificadas e foram cultivadas sem quaisquer pesticidas e inseticidas químicos.

Esses produtos químicos podem ser prejudiciais ao planeta, às pessoas que produzem, às plantas e ao consumidor que usa o produto final. Como resultado, os materiais orgânicos, especialmente o algodão orgânico, estão se tornando populares.

Várias organizações, como a Global Organic Textile Standard (GOTS) e a Better Cotton Initiative (BCI), estão ajudando os consumidores a encontrar itens orgânicos certificados.

14) Moda sustentável e ética: moda vegana

Moda vegana refere-se a itens que foram projetados sem produtos de origem animal. Lã, seda, caxemira, angorá não são veganos, por exemplo, pois todas essas fibras vêm de animais.

15) Moda sustentável e ética: moda cruelty-free

Falamos de moda cruelty-free quando nos referimos a um produto que não foi testado em animais.

16) Moda sustentável e ética: second hand

Second-hand (em português, de “segunda mão”) refere-se a roupas que foram usadas por outras pessoas e depois doadas ou revendidas. O Second-hand é uma das opções de moda mais sustentáveis por aí, já que você está reduzindo seu impacto ao não comprar algo “novo”. Além disso, mantém as roupas fora dos aterros sanitários.

17) Moda sustentável e ética: biodegradável

Biodegradável significa que um item pode se decompor naturalmente no ambiente sem causar danos. Todos os materiais se desintegram, mas alguns deles podem levar milhares de anos e liberar produtos químicos e substâncias nocivas no processo.

18) Moda sustentável e ética: fairtrade (comércio justo)

Fairtrade, isto é, comércio justo, refere-se a um movimento geral que busca maior equidade e promove o desenvolvimento sustentável. Quando uma organização é ‘Fairtrade’, isso significa que a Fairtrade International a certificou especificamente.

19) Moda sustentável e ética: living wage

Living Wage é a renda salarial mínima necessária para que os trabalhadores da indústria de moda possuam suas necessidades básicas e tenham uma vida decente.

20) Moda sustentável e ética: fashion revolution

O Fashion Revolution é um movimento global que acredita em uma indústria da moda que valoriza as pessoas, o ambiente, a criatividade e o lucro em igual medida.

Nasceu em 24 de abril de 2013, quando a fábrica de Rana Plaza desabou, matando 1138 pessoas e ferindo muitas outras.

A Fashion Revolution lançou a Fashion Revolution Week, que acontece todo mês de abril e promove a campanha #whomademyclothes. Durante esta semana, os consumidores pedem às marcas #whomademyclothes, para promover a transparência na cadeia de suprimentos de moda.

Solene Rauturier é desenvolvedora de conteúdo especializada em moda sustentável.

*Fonte: Solene Rauturier

*Imagem: divulgação

Obs.: o conteúdo deste artigo é de responsabilidade do autor.

Você também pode gostar de ler:

Estamparia sustentável: técnicas artesanais à base de produtos naturais

Cortiça: uma alternativa ecológica e vegana

Conheça 8 tecidos veganos que substituem a lã



Deixe seu comentário