Estudantes desenvolvem máquina que suga partículas de microplásticos de praias

0

Um grupo de alunos da Universidade de Sherbrooke (Canadá) construiu um aparelho que consegue sugar partículas de microplásticos de praias. A máquina tem a capacidade, ainda, de separar o material plástico da areia, podendo devolvê-la ao meio ambiente.

*Por McKinley Corbley para o Good News Network

Já é bem desafiador para os ambientalistas manterem as praias livres de lixo e detritos de plástico. Mas, o problema mais difícil está na limpeza de todos os milhões de microplásticos, que são impossíveis de pegar e separar da areia.

Felizmente, um grupo de estudantes de engenharia conseguiu desenvolver um enorme aspirador de pó que pode coletar microplásticos sem remover a areia da praia.

Os 12 estudantes da Universidade de Sherbrooke, em Quebec (Canadá), construíram o Hoola One, nome do aparelho, como um projeto de aula.

“Fizemos algumas pesquisas e percebemos que não existia uma máquina para fazer esse tipo de trabalho”, disse o co-fundador da Hoola One, Sam Duval. “Então, resolvamos inventar uma”, declarou.

Como funciona a máquina que retira microplásticos da praia

Usando uma mangueira de mão, a máquina suga o plástico e a areia, despejando tudo em um enorme tanque de água. Como as pedras e a areia são mais pesadas que o plástico, elas afundam e são devolvidas à praia. O plástico, por outro lado, flutua no topo do tanque.

Como forma de testar a eficiência da máquina, eles a usaram nas areias da Praia de Kamilo, no Havaí. Ela é conhecida por ser uma das praias mais sujas do mundo.

Os alunos conseguiram resolver os problemas e limpar a praia.

A equipe deixou a máquina na ilha, como uma doação para o departamento de estado. Eles agora estão pesquisando os impactos ecológicos na praia após o uso do aparelho, enquanto buscam financiamento e patrocínios para produzir mais aspiradores.

Supondo que sejam bem-sucedidos, as máquinas poderiam começar a limpar as praias no mundo todo.

*Fonte: Good News Network

*Imagem: divulgação

Você também pode gostar de ler:

Microplásticos, macro impactos

Revista Veja destaca empreendedores que se dedicam à redução do lixo no mundo

Pesquisa descobre que 46% do plástico oceânico é feito de redes de pesca descartadas



Deixe seu comentário