Estamparia sustentável: técnicas artesanais à base de produtos naturais

0

A estamparia sustentável é uma forma de tingir tecidos sem prejudicar o meio ambiente. Existem diversas técnicas naturais, livres de substâncias químicas, que não danificam a natureza e podem ser ótimas alternativas para deixar as roupas bonitas. Veja a seguir algumas opções.

*Por Rafaela Oliveira para a Mude!

O grande problema da estamparia tradicional é o desperdício de água e a liberação de tintas no meio ambiente. A estamparia digital é uma solução sustentável que vem ganhando espaço. Mas, para quem quer desenvolver um trabalho artesanal com valor agregado e livre de substâncias químicas, vou indicar algumas opções para estampar com produtos naturais.

Estamparia sustentável: confira como estampar com produtos que não agridem a natureza

Tingimento natural: é feito a partir de extração do pigmento de um vegetal, planta ou alimento, por meio de seu cozimento e separação do líquido. O tecido é cozido junto com o pigmento. São usados agentes de fixação, como o mordente, para maior absorção da cor. Casca de cebola, beterraba, açafrão, erva mate, folhas de hibisco, urucu, casca de romã, repolho e manjericão são alguns exemplos de corantes naturais.

Shibori:
é uma técnica tradicional japonesa, semelhante ao tie-dye. Porém, utiliza-se uma maior variedade de técnicas, que criam padronagens exclusivas. Além de torcido, o tecido pode ser costurado, amarrado e prensado com madeira para ser tingido.

Ecoprint: é um processo de transferência da coloração de plantas para o tecido, em que ele é molhado no vinagre e estendido, para que flores e plantas sejam distribuídas por cima, compondo o design. Em seguida, o tecido é enrolado em um bastão e amarrado com uma rede para ser submerso em água fervente com erva mate.

Batik com amido de mandioca: é uma técnica milenar da Indonésia. Consiste no desenho a partir do derretimento de amido de mandioca no material. O tingimento pode ser feito com índigo orgânico.

Enfim, é grande a variedade de resultados que podemos obter com recursos naturais, sem agredir o meio ambiente. É uma tarefa que requer tempo e paciência para que os tecidos alcancem a cor ou o efeito desejado, mas que agrega valor cultural ao produto artesanal.

Rafaela Oliveira é designer de moda pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. 

*Fonte: Mude!

*Imagem: divulgação

Você também pode gostar de ler:

Por que eu penso que a moda vegana é sempre a opção mais sustentável

7 tipos de tecidos veganos e sustentáveis que você precisa conhecer

– Moda sustentável: conheça o algodão colorido orgânico da Paraíba



Deixe seu comentário