Brasileiros desenvolvem espuma que retira agrotóxicos de alimentos

0

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais criou um material que consegue retirar agrotóxicos de alimentos e da água. A espuma desenvolvida pelos cientistas consegue detectar e absorver herbicidas e demais substâncias químicas nocivas à saúde.

O produto é feito com resíduos da indústria petroquímica e componentes naturais, como o óleo de mamona. A junção desses elementos possibilitou a interação dos materiais da esponja com os pesticidas. Essa reação tornou possível a identificação de defensivos agrícolas presentes nos alimentos que foram testados, além da água.

Os pesquisadores verificaram, ainda, que o composto tem a capacidade de retirar os herbicidas sem remover ou danificar as propriedades nutricionais dos alimentos.

O estudo foi conduzido pela engenheira química Marys Lane Almeida.

A utilização de agrotóxicos no Brasil

O uso de agrotóxicos no Brasil cresceu em 2019 e a liberação dessas substâncias é a maior em 14 anos. Até o dia 21 de maio deste ano, o Ministério da Agricultura validou 197 novos registros de defensivos agrícolas (leia mais aqui). O número de aprovações é 14% maior em comparação com o mesmo período de 2018 (saiba mais aqui).

Segundo o Greenpeace, mais de 40% dos herbicidas aprovados neste ano são altamente ou extremamente tóxicos à sociedade (veja mais aqui).

De acordo com a organização não governamental, os agrotóxicos atrazina e acefato, que são banidos na Europa e estão entre os defensivos agrícolas autorizados pelo governo, causam impactos nos animais e no ser humano. O atrazina pode prejudicar o sistema reprodutivo de sapos e o acefato tem a possibilidade de interferir na fertilidade masculina (confira mais aqui).

*Fontes: Observatório do Terceiro Setor; Gaúcha ZH; O Globo; Greenpeace

*Imagem: divulgação

Você também pode gostar de ler:

Agrotóxicos na natureza e saúde humana

Agrotóxicos: Alimentos de origem animal são mais contaminados que os vegetais

Agrotóxicos, rastro de câncer e morte

 

 



Deixe seu comentário