Entrevista com Nina Rosa Jacob – Ativista e fundadora do Instituto Nina Rosa

0

Nina Rosa Jacob, natural de São Paulo, é vegana, ativista e fundou o Instituto Nina Rosa – Projetos por amor à vida, que produz material educativo sobre defesa animal, consumo sem crueldade, educação humanitária e veganismo. Idealizou e criou um dos vídeos que mais contribuem para o veganismo: A Carne é Fraca.

Saiba mais assistindo a uma palestra que Nina Rosa concedeu sobre educação humanitária na prevenção de maus tratos, no 2º Encontro Nacional de Apoio aos Protetores de Animais – ENAPA. Este vídeo também está disponível no canal do Mimi Veg no Youtube: https://youtu.be/7eW8KrmORWM. Inscreva-se!:

Confira a seguir como foi a entrevista do Mimi Veg com Nina Rosa:

1. Como era sua vida antes de se tornar vegetariana, depois vegana e de que forma se deu toda essa transição?

Fui criada carnívora. Meu pai, filho de alemães, vinha do Sul e fazia churrascos aos finais de semana. Tínhamos carne em casa praticamente todos os dias. Era o que eu conhecia.

entrevista com Nina RosaSó por volta dos 30 anos de idade foi que a ficha caiu. Numa viagem para Nova York, em 1976, fui almoçar com uma garota também estrangeira e, no restaurante, ela disse: “Sou vegetariana pelos animais”. Na hora veio a consciência: “Lógico, pelos animais!”.

Mesmo assim, associei primeiro à carne vermelha e depois, aos poucos, fui associando a todos os animais e retirando todos eles da minha alimentação. Daí para o veganismo foram passos naturais. Agradeço ao Universo por ter feito essa opção. Não foi nada difícil. A alegria de saber que não mais participava dessa cadeia de sofrimento e morte foi maior que qualquer outro sentimento.

2. Fale sobre o seu trabalho como ativista, a fundação do Instituto Nina Rosa e seus principais focos de atuação.

O Instituto Nina Rosa – projetos por amor à vida foi oficializado em 2000, embora já trabalhasse pelos animais há seis anos. O propósito foi contribuir para a educação das pessoas, por meio de informação sensibilizante e, assim, ajudar os animais ao diminuir a exploração de todas as espécies e o abandono e maus-tratos dos domésticos.

entrevista com Nina RosaA produção de documentários, livros e palestras foi naturalmente acontecendo à medida que se investia na educação.

Quando conheci a Educação Humanitária, por meio dos livros da educadora americana Zoe Weil, co-fundadora do IHE- Institute for Humane Education, percebi o quanto pode ser interessante, interativa, além de necessária, a educação complementar à educação formal.

A Educação Humanitária ensina e é exemplo de valores como ética, compaixão, solidariedade e outros tantos igualmente positivos. Ensina os seres – crianças, adolescentes e mesmo adultos, a serem solucionadores dos problemas que nosso querido planeta Terra enfrenta. A Zoe tem diversas palestras gravadas no TED, várias com legendas em português. Indico. Sou fã.

3. Conte um pouco pra nós sobre a sua ida a matadouros e a coleta de imagens para o documentário “A Carne é Fraca”. Como essas experiências impactaram em sua vida?

O coração ficou cheio de dor ao presenciar tanta inflição de sofrimento em seres indefesos, sem nenhuma chance de ajudá-los naqueles momentos. Porcos gritando sua indignação, bois com olhos esbugalhados, apavorados, tentando andar para trás ao sentir o que lhes esperava… galinhas totalmente deprimidas penduradas de cabeça para baixo no aparato rolante que as levava em direção à serra que as degolaria…

entrevista com Nina RosaE isso é o que chamam de abate humanitário!!

Senti vergonha pelo ser humano, capaz de tamanha insensibilidade e covardia. E muita tristeza.

Acredito que, assim como hoje deploramos a escravidão humana praticada até pouco mais de 100 anos atrás, num futuro não muito longínquo, também mal acreditaremos que no passado século XXI ainda se escravizava e explorava animais em benefício (?) próprio.

Só assim – de acordo com a lei de causa e efeito – talvez tenhamos no futuro menos guerras e violência.

4. Algumas pessoas acham que ser vegetariano / vegano é caro. Como é a sua alimentação no dia a dia e que dicas você daria para elas?

Minha alimentação é bem natural. E simples. Procuro adquirir tudo integral e orgânico. Há uns 4 anos resolvi abolir o açúcar e, desde então, consumo só o das frutas e frutas secas. Também evito o glúten, porque experimentei retirar e me sinto melhor sem ele. No dia a dia procuro cozinhar minha comida. Bem simples. Temperos preferidos são gengibre e cúrcuma, além do sal e ervas caseiras.

entrevista com Nina RosaHoje em dia são muitas as opções de compra, há muito mais variedade de locais que vendem orgânicos e produtos veganos. Creio que é uma questão de pesquisar, também o preço, como em tudo. Sou a favor das marmitas, pois dentro das possibilidades de tempo de cada um, se encontrar um tempinho para cozinhar seu próprio alimento estará oferecendo uma atenção especial para a própria saúde. Mas existem ótimos locais com comida caseira também e a preços acessíveis.

Lembrando que alimento não é só o que entra pela boca, mas também pelos olhos e ouvidos. É preciso saber filtrar.

Acredito que a alimentação deve estar associada com a alegria. Tenho aprendido a gostar muito do que me faz bem.

5. O Instituto Nina Rosa produziu diversos materiais direcionados à educação humanitária, aos animais e meio ambiente em prol de um mundo de paz, preservação e sem violência. Quais deles você recomendaria para as pessoas que desejam saber mais sobre o veganismo?

entrevista com Nina RosaA Educação Humanitária nos ensina a ser melhores humanos. Por isso, recomenda o veganismo. Mas aborda vários outros temas ligados à compaixão pelos demais seres vivos, assim como os reinos mineral e vegetal.

Para pais e/ou educadores, recomendo o livro “O Poder e a Promessa da Educação Humanitária”, da Zoe WEil, cuja edição brasileira fizemos. Propõe vivências.

entrevista com Nina RosaPara crianças a partir de 8 anos e adolescentes, o livro “Então, você ama os animais”, também da Zoe, com nossa edição brasileira. Propõe exercícios que os leitores podem fazer sozinhos ou em grupos de crianças.

Outro livro, especial para adolescentes, este criado e editado por nós, é o “Vegana”, uma história de amor e respeito por todos os seres vivos. Conta, em 12 capítulos, a história de Luka e seu ativismo pelos animais. O livro vem acompanhado de DVD. Criamos um blog, saiba mais: http://www.blogdaluka.org/ .

Contatos com Nina Rosa:

*Email: inr@institutoninarosa.org.br (email pessoal dela e onde também podem ser feitos pedidos de material educativo).

*Facebook do Instituto Nina Rosa – projetos por amor à vida: https://www.facebook.com/InstitutoNinaRosa/

Imagens: Instituto Nina Rosa – projetos por amor à vida



Deixe seu comentário