Canil clandestino em Curitiba: mais de 40 cães são resgatados

0

Na última terça-feira (19), 43 cães foram resgatados de um canil clandestino em Curitiba, capital paranaense. De acordo com a Polícia Civil, os animais foram encontrados em condições precárias, vivendo em baias apertadas e sujas, sem iluminação natural e com medicações vencidas. Os cachorros apresentavam também lesões de pele, úlceras de córnea e pulgas.

O resgate foi realizado após uma denúncia recebida em fevereiro, de acordo com o diretor de pesquisa e conservação da fauna da Secretaria do Meio Ambiente de Curitiba, Edson Evaristo. A ação levou algumas semanas para ser concretizada, devido à resistência do dono do canil clandestino.

Segundo Evaristo, havia evidências de que as fêmeas eram exploradas. “Muitos dos filhotes tinham lesões de pele e parece que as fêmeas eram usadas repetidamente para a procriação, sem qualquer tipo de aporte nutricional ou médico”, explica.

O responsável pelo estabelecimento ilegal foi multado em R$21 mil e deve responder por crime ambiental, conforme a lei 9.605/98.

Canil clandestino: episódios de maus-tratos nesses estabelecimentos são recorrentes no Brasil

Em fevereiro, outro caso envolvendo um canil clandestino comoveu o país. Na cidade de Piedade, interior de São Paulo, um estabelecimento foi denunciado por manter mais de 1500 cães em péssimas condições. Muitos estavam machucados e cegos. Relembre o ocorrido aqui.

Os animais seriam vendidos para diversas pet shops, incluindo a Petz. Após a polêmica, a empresa decidiu parar de vender cães e gatos em suas lojas (saiba mais aqui).

Segundo a Organização Mundial da Saúde, no Brasil, há mais de 30 milhões de animais abandonados (veja mais aqui).

De acordo com Evaristo, a Secretaria do Meio Ambiente de Curitiba sempre incentiva a adoção de animais. Ao comprar um filhote, há um estímulo para que canis desse tipo cresçam no país. Dessa forma, se incentiva, mesmo que indiretamente, os casos de maus-tratos a animais no Brasil.

*Fontes: Band; G1; Tribuna do Paraná

*Imagem: divulgação/Polícia Civil do Paraná



Deixe seu comentário