Artistas lançam campanha contra decreto de Bolsonaro que beneficia caçadores de animais

0

Na última segunda-feira (06), o grupo 342 Artes divulgou uma campanha contra o decreto que beneficia caçadores de animais no Brasil. A medida facilita a posse e porte de armas para colecionadores, atiradores esportivos e caçadores, também denominados pela sigla CACs. O decreto foi assinado pelo presidente Jair Bolsonaro na terça-feira (07) e publicado no Diário Oficial da União no dia seguinte, quarta-feira (08). Veja o texto na íntegra aqui.

A iniciativa, que tem o slogan “Diga Não à Barbárie”, reúne artistas como Bruno Gagliasso e Alinne Moraes, além da ativista Luisa Mell.

“A caça é uma realidade criminosa no país, e pode piorar. Isso porque Bolsonaro diz que vai cumprir mais uma de suas ameaças contra o meio ambiente, flexibilizando a legislação que regula a caça no Brasil. A promessa do presidente tem endereço certo; facilitar a vida daqueles que querem assassinar animais por diversão. Não aceitaremos essa barbaridade”, diz o grupo 342 Artes em suas redes sociais (veja a publicação na íntegra aqui).

“Matar não pode ser um esporte. Diga não à essa barbaridade”, dizem os participantes da campanha, que já teve milhares de visualizações.

Veja o vídeo da campanha do grupo 342 Artes a seguir:

Caçadores de animais no Brasil

A caça de animais silvestres no Brasil é proibida desde 1967. Porém, parlamentares estão desenvolvendo propostas para flexibilizar a prática no país.

Em fevereiro, o deputado Alexandre Leite (DEM-SP), entrou com um pedido para desarquivar o projeto do deputado Valdir Collato, que libera a caça profissional no Brasil (saiba mais aqui).

Com o decreto que vai flexibilizar a posse e porte de armas para o grupo conhecido como CACs e projetos de lei favoráveis à prática, milhares de seres inocentes da fauna brasileira estarão ameaçados por caçadores de animais.

Há um abaixo-assinado para impedir a liberação da caça de animais no Brasil. Para assinar, clique aqui.

*Fontes: G1; Folha de S. Paulo; Agência Brasil; Época



Deixe seu comentário