Investigação da National Geographic revela maus-tratos e sofrimento de animais selvagens no turismo

0

Uma investigação da National Geographic revelou a vida terrível de animais selvagens no turismo, em várias regiões do mundo.

A jornalista Natasha Daly, ao lado da fotógrafa Kirsten Luce, visitaram os locais mais frequentados por turistas e verificaram as condições as quais muitos animais estão sendo submetidos.

Animais selvagens no turismo: a busca pela melhor foto que provoca sofrimento

A matéria mostra que a procura por turismo com animais selvagens aumentou nos últimos anos, com a popularização das redes sociais. Estimuladas por influenciadores digitais, que viajam para países exóticos e tropicais e mostram fotos com animais dessas regiões, muitas pessoas buscam fazer o mesmo, apenas para ter mais views e likes.

No entanto, essa “moda” está fazendo com que muitos animais sejam explorados e maltratados, de acordo com a revista National Geographic.

Durante a investigação, as duas visitaram a jovem elefante Meen, em Chiang Mai, na Tailândia. Elas viram que a filhote é mantida presa em uma corrente com cravos, para que não dê coices nos turistas.

A reportagem revela, ainda, mais maus-tratos que ela sofre, como ao ser forçada a segurar um pincel com a tromba e fazer pinturas para os turistas. Sua face é pressionada contra um prego de aço para direcionar as pinceladas.

Natasha Daly e Kirsten Luce descobrem, ainda, outros episódios de violência contra os animais. Na Rússia, por exemplo, ursos polares são amordaçados com arame, para que dancem, enquanto turistas tiram suas fotos.

Na América do Sul, adolescentes fazem “selfies” com bebês-preguiças, no Rio Amazonas. Segundo a publicação, muitos turistas não sabem que os animais podem ter sido dopados ou que tiveram suas garras arrancadas.

A matéria revela que os maus-tratos são ocultados, para que as pessoas acreditem que os animais também estão se divertindo.

De acordo com a National Geographic, as redes sociais estão percebendo que ajudaram a intensificar esses abusos e explorações. O Instagram, por exemplo, notifica pessoas que buscam pelas hashtags #slothselfie e #tigercubselfie. A plataforma avisa que esse tipo de conteúdo pode ser prejudicial aos animais.

Confira todos os detalhes da matéria aqui. A reportagem completa está na edição de junho da revista National Geographic Brasil.

*Fonte: National Geographic

*Imagem: Kirsten Luce/National Geographic



Deixe seu comentário